Loading...

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Falar ou não falar, será assim tão importante?

Os papagaios são vulgarmente conhecidos como as aves que falam. Muitas vezes quando comentamos com alguém que temos um papagaio, a primeira pergunta que surge é sempre, " ele fala?", pois é sem dúvida aquilo que mais os distingue da maioria das aves de gaiola. Muitas vezes ouvimos um papagaio muito falador a quem nunca nada foi ensinado, ele acabou por aprender sozinho de ouvir repetidamente as mesmas palavras, outros foram estimulados e sabem um monte de palavras que repetem com ou sem "comando". Outras vezes encontramos papagaios que não repetem uma unica palavra e o dono até acha que o estimulou bastante. Mas será assim tão importante um papagaio falar? Quem é dono de um papagaio, se tem interesse em saber mais acerca da sua ave, e perceber o quanto pode ensinar-lhe, acredito que muito rapidamente se esquece de querer muito que o papagaio repita umas quantas palavras. Um papagaio é capaz de aprender coisas incríveis e animar cada momento com uma nova gracinha. Tenho observado com o tempo, papagaios que conheço aqui e ali, que muitas vezes os papagaios que mais falam, são aqueles que menos atenção têm. Os papagaios que vivem fechados na sua gaiola, numa zona com movimento e com pessoas a falar, aprende muito rapidamente a repetir as palavras que mais ouve, pois percebe que ao fazê-lo, recebe a atenção de quem por ele passa, que dessa vez pára e fala um pouco com ele. Um papagaio com pouca atenção, dá um enorme valor à recompensa atenção, e por isso aprende a repetir palavras e quanto mais recompensas tiver com cada nova palavra que aprende, mais palavras tentará repetir até descobrir a que mais o recompensa. Não é por acaso que normalmente "papagaio de café" sabe muito bem dizer palavrões e asneiras, pois foi com essas palavras que conseguiu mais risadas, mais atenção, logo, mais recompensas. Claro que todos nós achamos imensa piada aos nossos papagaios quando estes repetem as nossas palavras, e quem dá muito valor a esse comportamento, acho que o deve treinar e recompensar cada vez que ele se repete, de forma a que o seu papagaio lhe possa dar o que quer e assim ele também irá receber o que mais gosta. Quem realmente quer que o seu papagaio repita muitas palavras, deve treinar esse comportamento, o que não é assim tão complicado, desde que exista uma rotina e uma persistência contínuas. Muitas vezes passamos um mês a tentar ensinar uma palavra e parece que não há meio de aprenderem nada, e de repente quando estamos para desistir, repetem essa e mais duas ou três palavras diferentes que ao longo do treino fomos sem querer repetindo. Para ensinar um papagaio a repetir palavras, basta seguir uma metodologia bastante simples que se baseia como sempre no reforço positivo, desta vez orientado para o comportamento de repetir palavras. Vou tentar explicar uma forma que funciona na maioria dos casos, já funcionou em todos os casos que conheço de mais perto. Todos os dias deve existir uma rotina quanto ao tratamento da ave e gaiola, como tal, sempre devemos aproveitar os timings da alimentação. As aves sempre têm duas refeições principais, uma logo pela manhã e outra ao final do dia, durante o dia vão "petiscando". Sabendo isto, devemos usar ou a refeição da manhã ou a refeição do fim do dia para antes dela fazer 15 minutos de treino, se os nossos horários permitirem, podemos fazer 2 sessões diárias, uma antes de cada refeição. Como normalmente é pela manhã que servimos os produtos frescos, podemos à noite retirar todo o alimento da gaiola, de forma que quando chegarmos para a sessão de manhã, a ave esteja com apetite pois está na hora da sua refeição. Podemos por exemplo, tomar o pequeno almoço ao lado da gaiola e falar com a ave, repetindo apenas a palavra que queremos que aprenda agora. Escolha uma palavra de cada vez, de preferência as primeiras palavras serem de duas silabas. O "olá" é uma boa palavra pela sua entoação e é uma palavra que vamos repetir muito facilmente sempre que nos aproximarmos do espaço onde a ave está. Se possível, liberte a ave no espaço onde está e com guloseimas peça que a ave repita o "olá" e a cada aproximação dê um pedacinho de alimento pequeno, e assim que o "olá" sair bem a primeira vez, dê um pedaço muito maior. Depois de uns 10 a 15 minutos, coloque novamente a ave na gaiola e siga a sua vida, fique atento caso a ave diga o "olá" na gaiola, mostre muita satisfação nesse comportamento, repetindo o "olá", leve à gaiola uma recompensa e se possível dê alguma atenção à ave. Quanto maior a recompensa, mais a ave valoriza esse comportamento como uma forma fácil de atingir o seu objectivo. Espere dois ou três minutos até servir então os alimentos para o dia. Quando está em "fase de ensinar palavras" evite falar com a ave usando palavras que não a que está a ensinar. Quanto mais vezes se dirigir à ave com a mesma palavra mais facilmente a ave a repetirá. Esta é uma forma de não ter qualquer preocupação com a quantidade de alimento disponível, fornecendo sempre quantidade suficiente para uma boa alimentação da ave, pois poderemos colocar alimento que chegue para as duas refeições do dia, para durante o dia e ainda sobra que retiramos à noite. Se quiser preocupar-se mais, pode perceber a quantidade de alimento que a ave costuma consumir durante o dia e de manhã, servir apenas a refeição da manhã mais o necessário para o dia, podendo assim repetir o treino antes da refeição da noite. Para isto, quando chega a casa retira o que sobrou do dia e espera uma hora, depois então repete a sessão de treino e torna a fornecer uma refeição para a noite. MUITA ATENÇÃO, se quer fazer duas sessões diárias, deve controlar bem a quantidade de alimento que fornece à ave para que esta não passe fome.
Clique aqui para ler o artigo completo ->

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

A importância do banho

Todos os animais tomam conta da sua limpeza quando no estado selvagem, em casa temos de ajudar ou mesmo ser nós a tratar desse assunto. Os papagaios adoram tomar banho e quem tem a possibilidade de lhes proporcionar uma banheira à disposição sempre com água limpa para que tomem banho quando querem, tem imensa sorte, mas nem todos temos gaiolas com dimensões para colocar uma banheira. Como a maioria das pessoas tem os papagaios em casa e não é simples poder proporcionar uma banheira, devemos ter um especial cuidado com este tema. Vamos então ver algumas soluções caseiras. Normalmente, o borrifador é o melhor método pois permite que a água saia em spray deixando que o papagaio nos mostre até que ponto quer que o molhemos e assim ele próprio "doseia" até que ponto se molha. No verão, quando está muito calor, as minhas gostam de apanhar com os salpicos da mangueira quando lavo a gaiola delas ou o quintal, na maioria das vezes ficam completamente encharcadas, mais do que alguma vez ficariam se tivessem tomado banho sozinhas. Mas no verão isso não é um problema pois as altas temperaturas e o sol permitem que rapidamente sequem e não chegam a arrefecer completamente. Já no inverno, temos de ter muito cuidado pois com o frio as penas não secam tão facilmente, a temperatura corporal já era mais baixa e acaba por descer bastante e as aves podem apanhar um resfriado indesejado. No inverno as aves também precisam de banho, mas aí cabe-nos a nós decidir o melhor horário e os melhores dias uma vez que não é uma necessidade diária, evitando assim os dias de vento frio. O ideal é que se possa aquecer um pouco a água antes de colocar no borrifador. Nestes banhos, devemos evitar molhar em demasia as aves.
Clique aqui para ler o artigo completo ->

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

A importância de germinar sementes e incluí-las na alimentação dos papagaios

O que são sementes germinadas? Pois não são mais do que as normais sementes, que estão "adormecidas" e passam pelo processo de germinação para "acordarem" e assim atingirem o seu ponto máximo de nutrição. Uma semente germinada tem muito maior valor vitamínico e energético do que a semente seca, os ramos ou mesmo os frutos dessa mesma semente. Uma semente na fase de gérmen, tem muito mais nutrientes do que uma semente "seca", como exemplo temos a semente de trigo que possui muito pouca vitamina C, quase não tem, mas quando germinada passa a ter mais 600% dessa mesma vitamina. Existem imensos outros benefícios em fornecer as sementes nesse estado aos nossos papagaios, uma vez que além do valor nutritivo ser muito superior, tornam-se mais facilmente digeríveis o que os ajuda muito a nível gastro-intestinal, e fornecem-lhes nesse estado um valor muito mais elevado de vitaminas A,C, Complexo B e vitamina E. Contêm um maior nivel de ferro, enzimas e proteínas já decompostas em aminoácidos, facilitando bastante a digestão e a absorção de todos os nutrientes. Existem inúmeras formas "artesanais" de fazer um germinador, mas o ideal é mesmo comprar um, pois vem tudo preparado para que a germinação funcione. Eu forneço quase diariamente às minhas e elas adoram. Existem já no mercado misturas de sementes próprias para germinar. Mais uma vez devemos ter muita atenção à origem das sementes pois apesar de se lavarem bem as sementes antes de iniciar o processo de germinação, sempre é melhor ter sementes de boa qualidade. Para quem necessitar de algum apoio nesta questão, podem deixar um comentário que no que puder ajudar, estarei disponível. As sementes germinadas são mesmo um SUPER-ALIMENTO para os papagaios, e também para os humanos.
Clique aqui para ler o artigo completo ->

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Alimentação, conservar os alimentos

Sempre estamos preocupados com o que fornecemos às nossas aves, sempre com o intuito de lhes fornecer a melhor alimentação possível. Há um aspecto que é muito importante e que já notei ser por vezes como que esquecido por alguns. A conservação dos alimentos que fornecemos às nossas aves é tão importante como a qualidade e a fonte dos mesmos. As rações vêm normalmente em pacotes selados onde a sua conservação é garantida, mas, depois de aberto o pacote e em contacto com o oxigénio, podem surgir pequenas culturas de bactérias, especialmente quando quem tem poucas ou apenas uma ave, compra uma saca de 10 kg. Todas as embalagens garantem a qualidade dos produtos até serem abertas, depois têm um aviso de conservar em local fresco e seco. Isto levou-me já em tempos a pensar como resolver a questão, uma vez que duas aves já comem consideravelmente e a diferença de custo da ração torna-se considerável quando se fala de sacos de 1kg ou sacas de 18 kg. Durante algum tempo, tinha um amigo que trabalhava numa fábrica e me embalava em sacos específicos para alimentação humana e assim comprava sacas de 18 kg e depois ele dividia em pequenos pacotes de 1kg. Como isso não é solução, pois nem ele sempre pode nem isso poderia durar para sempre, cheguei à conclusão que o ideal é mesmo comprar packs de pacotes de 1kg. Os vendedores quando se compram vários pacotes de 1kg, podem fazer um preço especial por comprarmos uma caixa desses pequenos pacotes. Depois de abertos os pacotes, voltamos à velha questão, "como manter este alimento bem conservado?" Eu sempre guardo na embalagem de fábrica, tentando que a abertura que faço seja com o menor tamanho possível e depois faço várias dobras e fecho dentro de um tuperware. Muitas vezes se vê por aí sacos de ração abertos no topo a apanhar tudo o que caia do ar... Com a ração não é tão complicado, mas com as sementes torna-se um pouco mais difícil. Quando compramos sementes, devemos sempre ter em conta a sua origem, e o estado de conservação. As sementes podem trazer fungos e bactérias prejudiciais e quando pensamos que estamos a dar um mimo, estamos a dar um veneno. Também o pó libertado pelas sementes, nem que seja da erosão no contacto entre elas, pode dar origem a pequenos distúrbios a nível do papo e da função gastro-intestinal. Este é um tema que penso não ter tanta atenção por parte dos donos e criadores de aves mas é mesmo muito importante.
Clique aqui para ler o artigo completo ->

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Juca, a arara começa a voar.

Pela sua falta de vontade, a Juca nunca tinha voado. Como sempre que a tentava ensinar a voar em casa, ela fazia um ou dois voos e desistia de tentar, também eu desisti um bocado da área do voo. Depois de Agosto, houve um dia que ela voou da gaiola para a bancada da cozinha, como que a demonstrar que já começava a entender a função daquelas enormes penas que tem nas asas. Entretanto fez um voo na gaiola do jardim um qualquer dia que reparei e apercebi-me que estaria com vontade de começar. Como a minha vontade também estava meio abalada, comecei por diariamente, lhe pedir que voasse do meu braço para a gaiola de casa, cerca de 1,50m. Com este voo diário, começou a ganhar coragem e cada dia a coisa corria melhor, mais rapidamente saía do braço para a gaiola e cada vez as aterragens eram mais harmoniosas. Este fim de semana, quando a trouxe para dentro ao fim da tarde, depois de aterrar na gaiola, estava excitadíssima e batia as asas incessantemente, até que arrancou do topo da gaiola e aterrou em cima de mim. Achei que seria a hora ideal para iniciar o treino de voo. E assim foi, o primeiro dia correu muito bem, ela fez uns 10 a 12 voos do poleiro para mim, cerca de 3 metros. Desde aí, já fizemos mais duas sessões que têm sido excelentes!! Agora o passo seguinte será ir para o pavilhão de forma que possa voar tanto em maior comprimento como em maior altura. Assim que haja mais novidades, manterei este post actualizado. Até breve....
Clique aqui para ler o artigo completo ->